Considerado como uma da aves mais raras do planeta, o Mutum-de-Alagoas, que continua a existir apenas porque foi reproduzido em cativeiro, foi uma das atrações da comemoração dos 200 anos do estado de Alagoas. A empolgação com a volta do pássaro a natureza foi tanta que até um slogan foi criado para ele: “Vamos trazer esse alagoano de volta!”.

Ausente da natureza por mais de 30 anos e, por isso, desconhecido de muitos de nós, dois casais de Mutum-de-Alagoas serão colocados em um viveiro de imersão, que recebe esse nome porque permite a entrada das pessoas, permitindo assim uma melhor aproximação e interação com os pássaros.

Pedro Nardelli é o nome do criador que conseguiu capturar seis exemplares da espécie e dar início a reprodução em cativeiro com a autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos recursos Naturais Renováveis (Ibama). De acordo com Fernando Pinto, presidente do Instituto para Preservação da Mata Atlântica (IPMA), atualmente existem 230 aves, sendo 121 no criatório de Nardelli e, dentre esses, 54 Mutuns puros.

Por enquanto, apenas esses dois casais chagarão ao Estado e, em seguida, a intenção é de que outros três também sejam colocados no viveiro. A ideia é observar como se comportará o primeiro casal, uma vez que foram cridos na região sudeste do país.

Uma das principais causas da extinção do Mutum foi a caça, aliada aliada ao desmatamento para a plantação da cana de açúcar na década de 1980, por isso, de acordo com Fernando Pinto: “A segurança do BPA será fundamental para que o trabalho de trinta anos não seja perdido com um tiro de espingarda”.

Fonte: Gazeta Web

Imagem: http://gazetaweb.globo.com/v2/miniatura.php?v22=1&total=1&foto=%2FFotos%2FNoticias%2F210615mutum.jpg